Marca de tempero popular contaminado por substância fatal é suspendido

Após não passar nos testes da Anivsa, o produto foi suspenso e retirado das pratelerias

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, por meio da publicação da resolução-re nº 504, de 7 de fevereiro de 2024, publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia 8 de fevereiro, que suspendeu a comercialização, distribuição, propaganda e uso, bem como o determinou o recolhimento do lote nº 0892308 do produto pimenta-do-reino preta moída da marca Fã, produzida pela companhia Junco Indústria e Comércio Ltda, CNPJ nº 66.312.653/0001-14.

A decisão foi tomada após serem constatados resultados insatisfatórios nos ensaios de Pesquisa de Salmonella sp e na Contagem de Escherichia coli, conforme Laudo de Análise Fiscal Definitivo nº 2140.1P.0/2023, emitido pelo Laboratório Central de Minas Gerais (Fundação Ezequiel Dias).

Origem da pimenta-do-reino

A pimenta-do-reino, ou pimenta preta, é conhecida mundialmente como a “rainha das especiarias”. Sendo extremamente popular em terras brasileiras, a variedade traz uma série de benefícios à saúde graças ao seu rico perfil nutricional. Entre outras propriedades, ela promove a boa digestão e previne diversas doenças com o seu poder de desintoxicar o corpo.

Ao adicioná-lo nas receitas, o tempero realça o sabor dos alimentos e confere a eles um leve toque picante, sem prometer o paladar. A Piper nigrum, nome científico da pimenta-do-reino, é nativa das florestas tropicais da costa de Malabar, no sudeste da Índia, em torno das regiões de Kerala, Goa e Karnataka.

A especiaria é o fruto verde seco, ou o grão de pimento, da videira rasteira e tem uma coloração diferente dependendo de quanto é colhida. Para conseguir a pimenta-do-reino, os grãos são colhidos quase maduros e deixados para secar até ficarem pretos. Atualmente, o Brasil é um dos maiores produtores e exportadores do tempero, ficando atrás apenas do Vietnã e da Indonésia.

Principais benefícios do tempero apimentado

A pimenta-do-reino contém uma série de compostos ativos, mais especificamente oleorresinas e alcaloides como piperina e chavicina. Ainda, ela também contém antioxidantes, flavonoides, óleos essenciais e outros compostos fenólicos que ajudam a proteger as células e melhorar a saúde digestiva. Além disso, a especiaria é fonte das seguintes vitaminas e minerais:

  • 1. Vitamina C;
  • 2. Vitamina K;
  • 3. Tiamina (B1);
  • 4. Vitamina E;
  • 5. Vitamina A;
  • 6. Riboflavina (B2);
  • 7. Ácido pantotênico (B5);
  • 8. Vitamina B6;
  • 9. Manganês;
  • 10. Cobre;
  • 11. Ferro;
  • 12. Cálcio;
  • 13. Fósforo;
  • 14. Potássio;
  • 15. Selênio;
  • 16. Zinco;
  • 17. Cromo.

E não para por aí, pois a pimenta-do-reino ainda é uma excelente fonte de manganês, um mineral que pode ajudar na saúde dos ossos, na cicatrização de ferimentos e no metabolismo. A título de curiosidade, uma colher de chá de pimenta-do-reino oferece 16% de sua ingestão diária recomendada (IDR) de manganês e 6% de vitamina K.

Prevenção de doenças

Indo além de um simples intensificador de sabor alimentar, a pimenta-do-reino oferece benefícios à saúde devido aos seus compostos bioativos, sendo a piperina o mais importante deles. Abaixo, confira quais enfermidades podem ser prevenidas ao consumir o tempero:

  • 1. Câncer e envelhecimento precoce;
  • 2. Inflamações;
  • 3. Aprimora a saúde cerebral;
  • 4. Reduz o nível de açúcar no sangue;
  • 5. Reduz o nível de colesterol;
  • 6. Melhora a digestão e a saúde intestinal;
  • 7. Fortalece o sistema imunológico;
  • 8. Previne a constipação;
  • 9. Deixa os cabelos mais saudáveis;
  • 10. Ajuda na perda de peso;
  • 12. Reduz dores nas articulações.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.