Esta moeda comemorativa de R$ 1 pode ser vendida por R$ 6 mil

O item foi cunhado em homenagem aos Direitos Humanos; confira os detalhes

A moeda de R$ 1,00 em homenagem aos Direitos Humanos figura como um verdadeiro tesouro, principalmente entre as peças da família real. No mercado especializado, o pequeno objeto de metal pode valer cerca de R$ 6 mil. Portanto, caso tenha o item em sua posse, saiba que ele pode valer uma fortuna.

Lançada no ano de 1998, a moeda de R$ 1,00 dos Direitos Humanos foi produzida para celebrar o cinquentenário da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Com o núcleo de cuproníquel e anel de alpaca, o item pesa cerca de 7,84 gramas e tem um diâmetro de 27 milímetros.

Como mencionado há pouco, o objeto pode valer um bom dinheiro no mercado especializado, conhecido como numismática. Para quem não está familiarizado, trata-se do estudo e a coleção de moedas e notas, sendo um campo bem intrigante que mistura história, arte e economia. Logo, as moedas raras, como a dos Direitos Humanos, têm um lugar especial neste universo, seja pelo seu valor histórico, artístico ou monetário.

O que faz uma moeda ser considerada rara?

Para compreender o vasto universo da numismática, é preciso entender o que leva uma peça a se tornar rara. Neste sentido, é preciso levar em conta alguns fatores, como demanda, quantidade cunhada e história.

  • 1. Demanda

A procura por uma moeda específica pode ter um grande impacto em seu valor. Uma moeda comum que é muito procurada por colecionadores sem dúvidas terá um valor de mercado muito superior às que não são tão cobiçadas.

  • 2. Quantidade cunhada

O número de peças produzidas não é necessariamente um indicativo da disponibilidade da moeda, uma vez que, devido a diversos eventos históricos, algumas peças cunhadas em grande quantidade podem se tornar mais raras do que outras cunhadas em quantidades menores.

  • 3. História

A história da moeda também é um fator fundamental para determinar sua raridade. Alguns itens podem se tornar raros por conta de eventos históricos que levaram à sua retirada de circulação, dispersão ou fusão.

Como funciona a avaliação?

As avaliações dos objetos metálicos raros podem variar de acordo com o mercado. Isso porque moedas em grau de conservação “Flor de Cunho”, ou apenas aquelas que não são frequentemente encontradas nas transações comerciais, são especialmente suscetíveis a variações de preço. Dito isso, a seguir, confira os níveis de classificação:

CódigoGrau de raridadeSignificado
CCMuito comumFrequentemente disponível no mercado
CComumFacilmente encontrada no mercado
EEscassaExemplar encontrado com relativa escassez
RRaraExemplar encontrado com dificuldade no mercado
R2/RRMuito raraDifícil de ser encontrada no mercado, em curto período de tempo
R3/RRRRaríssimaAparece com grande dificuldade no mercado
R4/RRRRExtremamente raraDe grandíssima raridade, aparecendo poucas vezes no mercado, num período não inferior a 50 anos
R5/RRRRRDa mais alta raridadeQuatro, no máximo, cinco exemplares, de melhor conjunto (data, tiragem, estado de conservação, entre outros). Praticamente inexistente no mercado
ÚnicaÚnicaTermo que não pode ser abreviado. Indica o exemplar do qual não se conhece outro.
Fonte: Catálogo Bentes
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.