Eclipse solar total da Terra já pode ter data marcada para acontecer

Não perca a chance de presenciar um dos fenômenos astronômicos mais raros da humanidade

Os eclipses solares nada mais são do que eventos astronômicos que acontecem, em média, duas vezes ao ano e podem apresentar efeitos distintos para os observadores na Terra. Inclusive, os brasileiros puderam contemplar o eclipse solar anular no fim do último ano e, agora, os naturais da América do Norte poderão observar o aguardado eclipse solar total no dia 8 de abril de 2024.

Sendo um dos fenômenos astronômicos mais raros, o último eclipse solar total visualizado no Brasil aconteceu há quase 30 anos, no dia 3 de novembro de 1994. Na época, a cidade de Foz do Iguaçu, localizada mais ao Sul do país, foi o primeiro município onde os brasileiros puderam observar a totalidade do eclipse solar. Já Criciúma foi a última cidade que conseguiu visualizar o fenômeno.

Os apaixonados por astronomia assistiram ao espetáculo durante cerca de quatro minutos. Além dos brasileiros, pessoas do Peru, Chile, Argentina e Paraguai também puderam testemunhar o fenômeno celeste.

Apesar de ser um evento bem impressionante e único, os cientistas explicam que o eclipse solar total não ocorrerá para sempre. Ou seja, em algum momento do futuro, a humanidade deixará de observar eventos dessa natureza, visto que muitas pessoas que não puderam assistir ao eclipse de 1994 não vão estar mais vivas quando o próximo ocorrer, daqui a aproximadamente 22 anos.

Um eclipse total é uma dança com três parceiros: a lua, o sol e a Terra. Com o tempo, o número e a frequência dos eclipses solares totais diminuirão. Daqui a cerca de 600 milhões de anos, a Terra experimentará a beleza e o drama de um eclipse solar total pela última vez” disse Richard Vondrak, cientista lunar do Goddard Space Flight Center da NASA em Maryland, em um comunicado oficial.

“Saideira” do eclipse solar total da Terra

Em um eclipse solar total, a Lua “esconde” o Sol por alguns instantes e permite a observação de um “círculo de fogo” ao redor da paisagem, como se fosse visualizasse um “anel brilhante” cercando o corpo celeste. O evento em questão é considerado raro porque depende de condições específicas: o Sol e a Lua devem estar alinhados perfeitamente e o tamanho do satélite natural deve estar conforme o alinhamento da estrela.

Como mencionado há pouco, o último pôde ser observado no Brasil no ano de 1994, enquanto o próximo só acontecerá em 2045. Todavia, os eclipses solares totais costumam se manifestar a cada 18 meses na Terra. Ou seja, embora sejam incomuns, são considerados ainda mais raros porque ocorrem com muito menos frequência dependendo da região do planeta.

De acordo com a NASA, a Lua está se afastando pouco a pouco da Terra, o que representa cerca de quatro centímetros por ano. Isso significa que daqui a 600 milhões de anos, os eclipses solares totais deixarão de existir, visto que o tamanho aparente do satélite natural será pequeno demais para cobrir completamente o Sol.

A observação de um eclipse solar total é tão rara porque a sombra interna da Lua é pequena e limitada em relação à área onde o evento será visível. Para observar esse fenômeno, você precisa estar em um lado da Terra com muita luz solar e no caminho da sombra lunar. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.