Pastor é denunciado por controlar cartões do Bolsa Família de vítimas

O episódio aconteceu na cidade de Planalto, na Bahia

Um pastor responsável por um falso centro terapêutico na cidade de Planalto, localizada no sudoeste da Bahia, controlava os cartões do Bolsa Família de suas vítimas. Ao portal Correio24Horas, o tenente Oseias Vergas, que esteve à frente da operação que interditou o espaço na última quinta-feira (14), confirmou a informação.

As vítimas do pregador arcavam com parte do valor cobrado pelo local (entre R$ 500 e R$ 1.000), enquanto o pastor, identificado como José Silva nas redes sociais, controlava o benefício assistencial concedido pelo Governo Federal.

Detalhes do caso

De acordo com tenente Vergas, os familiares das vítimas foram atraídos pela falsa clínica, chamada de Centro Terapêutico Hadassa, por meio de propagandas publicadas no Instagram. Parte da suposta mensalidade era paga por familiares dos lesados, enquanto a outra metade era retirada do Bolsa Família, que era controlada pelo pastor, segundo o militar.

O centro foi interditado após uma série de denúncias da Vigilância Sanitária do município de Planalto, do Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS) e do Ministério Público da Bahia (MP-BA). Segundo as investigações, seis mulheres foram vítimas de maus-tratos, uma de 18 anos e cinco acima de 60, foram resgatadas por policiais militares da 79ª Companhia Independente da Polícia Militar (79ª CIPM).

O local era controlado por um casal de pastores, identificados como José Silva e Célia. No dia da ação dos policiais, a mulher estava no centro terapêutico e foi encaminhada para prestar esclarecimentos na Delegacia Territorial de Planalto, onde foi ouvida e liberada. O pastor, até o fechamento desta matéria, não foi localizado pela polícia.

De acordo com a Polícia Civil, um inquérito foi instaurado na delegacia do município para investigar as denúncias de importunação sexual e maus-tratos. Um Termos Circunstanciado de Ocorrência (TCO) foi lavrado contra a pastora. As seis mulheres mantidas no local foram ouvidas pelas autoridades e encaminhadas para suas respectivas residências — quatro delas são da Bahia e as outras duas são de Minas Gerais.

Bahia figura como o 2º estado com maior número de agraciados pelo Bolsa Família; veja o ranking

A Bahia possui cerca de 2,47 milhões de cidadãos contemplados pelo Bolsa Família, sendo o 2º maior número entre os Estados da federação brasileira (incluindo o Distrito Federal). Este é o contingente de baianos que começaram a receber, a partir da segunda rodada de pagamentos (fevereiro), R$ 674,41, o que representa R$ 1,67 bilhão de repasses diretos.

O recurso mensal concedido pelo programa de transferência de renda serve para gastos em bens e serviços de 1ª necessidade, como alimentação, saúde e educação. Anualmente, a Bahia recebe cerca de R$ 20 bilhões via Bolsa Família.

Levando em consideração que a média de pessoas por família na região baiana é de 2,7, é possível afirmar que quase 50% da população é beneficiada de alguma forma pelo programa social.

Cabe destacar que São Paulo lidera o ranking com 2,6 milhões de famílias recebendo os benefícios do programa, o que representa cerca de 15% da população paulistana. Vale mencionar que os dados informados são aproximados e foram calculados pelo Bahia Econômica. Dito isso, a seguir, confira quais os Estados que mais recebem os montantes do Bolsa Família e o percentual em relação ao total da população:

  • 1. São Paulo: 2,6 milhões de famílias contempladas (17% da população);
  • 2. Bahia: 2,4 milhões de famílias contempladas (47% da população);
  • 3. Rio de Janeiro: 1,7 milhão de famílias contempladas (28% da população);
  • 4. Minas Gerais: 1,6 milhão de famílias contempladas (21% da população);
  • 5. Pernambuco: 1,61 milhão de famílias contempladas (49% da população);
  • 6. Ceará: 1,4 milhão de famílias contempladas (53% da população).
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.