Google é multado em 250 milhões de euros por motivo polêmico

Saiba todos os detalhes sobre o entrave entre o Google e a imprensa

Pelo não cumprimento de um acordo que obriga o Google a pagar aos meios de comunicação por utilizar seus conteúdos na internet, a Autoridade da Concorrência Francesa multou a companhia em 250 milhões de euros (R$ 1,36 bilhão).

Em nota oficial, a agência argumentou que a big tech “descumpriu alguns dos seus compromissos assumidos em junho de 2022”, em especial aquelas que dizem respeito aos direitos da imprensa definidos pelo órgão. Por sua vez, o Google classificou a multa como “desproporcional”.

Os direitos foram estabelecidos no ano de 2019, por meio de uma diretriz europeia que permite jornais, revistas ou agências de notícias recebam remunerações quando o seu material é utilizado em buscadores online, como é o caso do Google, que exibe trechos de notícias da imprensa nas páginas de resultados.

A entidade francesa critica a gigante da tecnologia por “não ter respeitado quatro dos sete compromissos” e, em particular, por “não ter negociado de boa-” com as editoras de imprensa para avaliar a remuneração com base nos direitos. Além disso, a Autoridade destacou que a empresa norte-americana utilizou conteúdos de editoras e agências de notícias sem alertá-las, visando capacitar seu aplicativo de inteligência artificial Bard, atualmente chamado de Gemini.

Entrave global

De acordo com o jornal The New York Times, a Meta, companhia responsável pelo Facebook, Instagram e WhatsApp, também vem entrando em atritos com a Austrália e o Canadá. Os dois países têm projetos que obrigam as big techs a pagarem pelo conteúdo jornalístico que é compartilhado em suas plataformas.

A exemplo da Austrália, que foi o primeiro país do planeta a apresentar uma lei sobre o tema. Vale lembrar que ela foi aprovada em 2021 e, naquele ano, os veículos de comunicação faturaram US$ 200 milhões com a decisão, como apontado pelo jornal Financial Times.

Como é de se imaginar, a medida enfrentou resistência das gigantes da tecnologia, principalmente por parte da Meta e do Google. Em resposta, a companhia fundada por Mark Zuckerberg chegou a bloquear o compartilhamento e a visualização de notícias no Facebook. Já o mecanismo de busca ameaçou bloquear sua plataforma no país, mas acabou voltando atrás, anunciando acordos com a mídia australiana.

Google se posiciona

Em comunicado, a big tech afirmou que considera o valor da multa “desproporcional” em “relação às infrações” apresentadas pela autoridade francesa. “Assumimos um compromisso porque é hora de virar a página e, como provam os nossos muitos acordos com as editoras, desejamos (…) trabalhar de forma construtiva com as editoras francesas“, disse o Google no informe (via G1).

Além disso, a empresa destacou que “desde a entrada em vigor da lei, a ausência de medidas regulatórias claras e as sucessivas ações judiciais complicaram as negociações com os editores e impedem-nos de considerar com calma os nossos futuros investimentos no domínio da informação na França”.

Até o fechamento desta matéria, não se sabe se o Google vai recorrer da multa milionária. Todavia, ao que tudo indica, o entrave deve ganhar novos capítulos, visto que a gigante da tecnologia deve fechar um novo acordo para evitar problemas maiores em território europeu.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.