Você pode correr o risco de cair no pente-fino do Bolsa Família

A medida do Governo Federal é destinada para os segurados unipessoais do programa social

Em março deste ano, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tomou uma decisão que não agradou alguns beneficiários do Bolsa Família, visto que a medida tem resultado na exclusão de milhares de segurados unipessoais, isto é, famílias compostas por um único membro.

No entanto, ao contrário do que muitos estão pensando, a medida faz parte de um esforço para aprimorar a distribuição dos benefícios concedidos pelo programa social, eliminando do sistema aqueles que não necessitam dos recursos financeiros.

Para te ajudar a entender o cenário, vamos navegar pelas nuances da mudança, explorando as implicações sociais e econômicas, oferecendo uma visão mais ampla sobre os desafios e as realidades enfrentadas pelos afetados. Portanto, siga a leitura até o fim.

Bolsa Família: milhares de segurados estão sendo excluídos

Em um movimento recente do Governo Federal, foi implementada uma rigorosa revisão nos critérios de elegibilidade do Bolsa Família, popularmente conhecido como pente-fino, o que resultou na exclusão de milhares de beneficiários unipessoais do programa.

Como mencionado há pouco, a medida que busca revisar os critérios de concessão dos recursos, acendeu um debate sobre as implicações sociais e econômicas para os cidadãos que vivem na linha da extrema pobreza.

Como não ser excluído?

Antes de entrarmos em detalhes, vale frisar a natureza dessa revisão: a administração focou nos beneficiários unipessoais, visto que houve um aumento suspeito de segurados nesta categoria do Bolsa Família.

Portanto, para se qualificar ao programa de transferência de renda, é de suma importância manter atualizado os dados passados ao Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), além de apresentar uma renda mensal por pessoa igual ou menor que R$ 218.

No entanto, devido a implementação de uma nova regra em agosto de 2023, que limita os cadastros de famílias unipessoais a apenas 16% dos inscritos no Bolsa Família em cada município, a situação acabou ficando complicada para novos interessados em fazer parte da iniciativa governamental.

Falta de atualização pode acarretar na perda dos benefícios extras

Em meio às mudanças, março também traz consigo a liberação de montantes adicionais importantes para os segurados do Bolsa Família — exceto o Auxílio Gás, que tem distribuição mensal, isto é, a cada dois meses.

Dentre eles, destacam-se os auxílios do Benefício Primeira Infância (BPI) e o Benefício Variável Familiar, que oferecem suporte adicional de R$ 150 e R$ 50, respectivamente. No caso do BPI, ele é destinado para mães que tenham filhos de até sete anos; enquanto o segundo é concedido para gestantes, ou crianças e adolescentes que tenham entre sete e 18 anos incompletos.

Liberação do benefício em março; saiba quando acontece

Lembrando que a ordem dos pagamentos segue de forma escalonada, baseada no último dígito do Número de Identificação Social (NIS) de cada segurado. Abaixo, você pode consultar o calendário oficial:

  • Beneficiários com NIS final 1: depósito no dia 15 de março;
  • Beneficiários com NIS final 2: depósito no dia 18 de março;
  • Beneficiários com NIS final 3: depósito no dia 19 de março;
  • Beneficiários com NIS final 4: depósito no dia 20 de março;
  • Beneficiários com NIS final 5: depósito no dia 21 de março;
  • Beneficiários com NIS final 6: depósito no dia 22 de março;
  • Beneficiários com NIS final 7: depósito no dia 25 de março;
  • Beneficiários com NIS final 8: depósito no dia 26 de março;
  • Beneficiários com NIS final 9: depósito no dia 27 de março;
  • Beneficiários com NIS final 0: depósito no dia 28 de março.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.