Angélica é acusada de perseguir mulher que pede R$ 60 mil de indenização

O episódio foi relato pelo colunista Daniel Nascimento

A apresentadora Angélica está sendo processada por perseguição e por liderar uma suposta seita. A ação foi movida por uma mulher que, inclusive, está pedindo uma indenização de R$ 60 mil e uma medida restritiva contra a companheira de Luciano Huck.

Como informado pelo jornalista Daniel Nascimento, colunista no jornal O Dia, a autora do processo, que não teve sua identidade revelada, alega que Angélica estaria liderando uma espécie de seita religiosa. Segundo os advogados da mulher, onde quer que ela fosse, a esposa de Luciano Huck estaria lá, tentando convertê-la. Se levarmos em consideração a descrição, trata-se de um espécie de “jogo espiritual”.

No processo, a senhora descreveu supostas situações invasivas da apresentadora com ela. Além disso, a moça alega que tudo começou no início do ano passado. De acordo com o relato, Angélica tem frequentado uma cidade da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, afirmando que foi abordada diversas vezes com perguntas de cunho religioso e jogos de religião.

Comecei a ser abordada constantemente por ela e por pessoas que se identificaram como Espíritas Umbandistas“, disse a mulher no documento (via Terra).

No entanto, vale destacar que essa história é um tanto quanto nebulosa, tendo em vista que se baseia apenas nos relatos da mulher supostamente perseguida por Angélica, sem nenhum tipo de prova até o fechamento desta matéria. Outro ponto importante é que devido às supostas perseguições cometidas pela apresentadora e seu suposto grupo religioso, a mulher pede à Justiça o afastamento e solicitou uma indenização no valor exato de R$ 56.480 para compensar a “dor, angústia, humilhação e preocupação” que sofreu.

Por fim, cabe frisar que a juíza Marcia Paixão Guimarães Leo marcou uma audiência de conciliação que pode ser convertida em instrução de julgamento. Até o momento, não se sabe mais detalhes sobre o caso. Portanto, resta aguardar novos desdobramentos.

Perseguição é crime

A Lei 14.132, de 31 de março de 2021, inseriu o artigo 147-A no Código Penal, que descreve o crime de perseguição, também conhecido como “stalking”. O artigo em questão considera como conduta ilícita de seguir ou acompanhar uma pessoa, de maneira reiterada ou constante, com ameaças à sua integridade física ou psicológica, causando constrangimentos e intimidações que resultem em restrição ou perturbação de sua liberdade ou privacidade.

Para facilitar o entendimento, vamos a um exemplo: imagine uma pessoa que não aceitou o fim de um casamento e passa a ligar diversas vezes para a ex-companheira, vai à sua casa ou trabalhado sem convite prévio e utiliza de diversos artifícios para intimidá-la a não iniciar uma nova relação amorosa.

Para este tipo de comportamento, é previsto pena de 6 meses a 2 anos de reclusão e multa. Há também a previsão do aumento de até metade da pena caso o crime seja praticado nas seguintes hipóteses:

  • 1. Contra criança, adolescente ou idoso;
  • 2. Contra mulher por razões da condição de sexo feminino;
  • 3. Por duas ou mais pessoas ou com uso de arma.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.