Bolsa Família vai entrar no pagamento offline com Drex? Nova moeda digital

Entenda a integração da nova moeda digital e o Bolsa Família no Caixa Tem.

O Banco do Brasil e a Giesecke+Devrient iniciam um projeto para pagamentos offline usando o Drex, a moeda digital do real. A nova tecnologia, testada já em Gana e Tailândia, permitirá transações seguras sem necessidade de internet, utilizando dispositivos como cartões, pulseiras ou celulares. Apesar disso, o Bolsa Família deve ficar de fora de qualquer experiência nesta etapa de testes da nova moeda.

O Drex pe a moeda brasileira, o real, em forma digital. Trata-se do mesmo valor, mesma cotação e tudo que envolve o real tradicional. Regulado pelo Banco Central, ele é emitido apenas em plataformas digitais e é visto como uma forma moderna de circulação do dinheiro.

Ainda em fase de testes, esse tipo de moeda não é indicada para aplicação no Bolsa Família. Segundo especialistas, uma inovação deste nível apenas poderia ser feita de forma consistente em um cenário de popularização da moeda digital, algo ainda distante no Brasil.

Os beneficiários do Bolsa Família vão seguir recebendo através do método tradicional no Caixa Tem, com pagamentos através do real tradicional.

Drex no Bolsa Família

É possível que no futuro esse tipo de pagamento seja integrado ao Bolsa Família, tendo em vista que é uma forma moderna, rápida e eficiente de transações financeiras. Diferente de outras moedas digitais, como o Bitcoin, o Drex está totalmente associado a uma moeda física e tradicional, o Real.

O novo passo do Drex no Brasil

Segundo o Banco Central, a ideia é:

  • Utilização de dispositivos como pulseiras ou cartões para pagamentos offline com moeda digital.
  • Banco do Brasil (BB) e Giesecke+Devrient lançam projeto para usar Drex, o real digital, em pagamentos sem internet.
  • Iniciativa busca incluir pessoas sem acesso à internet ou contas bancárias, permitindo transações seguras sem conexão.
  • Potencial para reduzir o uso de dinheiro em espécie, abordando desafios como a falta de inclusão financeira e infraestrutura.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.