Morre na prisão aos 47 anos um dos principais opositores de Putin, Alexei Navalny

O político e ex-advogado estava preso na Sérvia

Morreu nesta sexta-feira (16) o opositor russo Alexei Navalny. O informe do falecimento foi feito pelo serviço penitenciário de Yamalo-Nenets, na região ártica da Rússia, onde ele cumpria pena. A causa da morte, por sua vez, não foi revelada. O governo russo disse não ter nenhuma informação a respeito.

O Serviço Penitenciário Federal disse em comunicado oficial que Navalny perdeu a consciência durante uma caminhada e passou mal. De acordo com a agência de notícias russa Tass, o hospital que atendeu o político tentou reanimá-lo por 30 minutos, mas não teve sucesso.

Morte suspeita

A mulher de Navalny, Navalnaya, disse não acreditar totalmente na morte do marido. “Não podemos confiar em Putin e no seu governo. Eles sempre mentem. Mas se isso for verdade, quero que Putin, toda a sua comitiva, os amigos de Putin, seu governo saibam que eles serão responsabilizados pelo que fizeram ao nosso país, à minha família, ao meu marido. Esse dia chegará muito em breve“, disse.

Os Estados Unidos e a União Europeia culparam o governo Putin pela morte. O secretário-geral da Otan, Jens Soltenberg, afirmou estar “profundamente entristecido e perturbado” pela morte e exigiu que a Rússia esclareça as circunstâncias do ocorrido.

O Ministério das Relações Exteriores russo disse que, “em vez de acusar indiscriminadamente, os Estados Unidos deveriam se limitar a esperar resultados oficiais da investigação médica”.

Quem foi Alexei Navalny?

Navalny, de 47 anos, era um ex-advogado que ficou conhecido ao fazer acusações de corrupção ao governo do presidente Vladimir Putin. Ele se apresentava como um político liberal e principal adversário do atual presidente.

No ano de 2010, encabeçou um movimento contra Putin que levou milhares de pessoas às ruas do país. Navalny ficou conhecido nas redes sociais ao falar de Putin com deboche e ironia. Seis anos depois, chegou a anunciar sua candidatura presencial. No entanto, a Comissão Eleitoral Central da Rússia informou que ele não poderia concorrer devido a uma condenação na Justiça. À época, o político era alvo de vários inquéritos.

Ele foi condenado na Rússia por dois crimes. No primeiro, por peculato em uma madeireira estatal — o Tribunal Europeu de Direitos Humanos considerou, em 2016, que o processo foi conduzido de forma arbitrária. Já no segundo caso, ele e seu irmão Oleg foram acusados de fraudar a subsidiária russa da companhia francesa de cosméticos Yves Roche em 26 milhões de rublos (cerca de R$ 1,46 milhão).

Já em 2018, após a proibição da candidatura de Navalny, milhares de pessoas protestaram em toda a Rússia contra a eleição na qual o atual presidente, Vladimir Putin, foi eleito pela quarta vez. A manifestação, chamada de “greve de eleitores”, foi convocada por Navalny.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.