Déficit de R$ 249 bilhões atingiu o setor público no ano passado

Diversos fatores como juros, precatórios e dividas tiveram impactos nesses déficit. Em 2023, segundo o Ministro da Fazenda, o foco foi saldar débitos anteriores

Em 2023, o setor público consolidado apresentou um déficit primário de R$ 249,1 bilhões, representando 2,29% do Produto Interno Bruto (PIB). Esse resultado foi influenciado principalmente pela antecipação do pagamento de R$ 92,4 bilhões em precatórios durante o mês de dezembro.

Isso resultou em um déficit mensal de R$ 129,6 bilhões. Durante esse período, o Governo Central e as administrações regionais apresentaram déficits de R$ 127,6 bilhões e R$ 2,9 bilhões, respectivamente, enquanto as empresas estatais registraram um superávit de R$ 942 milhões.

Em contraste, o ano de 2022 registrou um superávit de R$ 126,0 bilhões ao longo do ano, correspondendo a 1,25% do PIB, apesar de um déficit de R$ 11,8 bilhões ao final de setembro. Essas informações foram compartilhadas pelo Banco Central em seu relatório fiscal de dezembro de 2023.

Fatores que impactaram no déficit

Os precatórios desempenharam um papel de destaque no balanço agregado do setor público em 2023, visto que representaram a determinação do governo federal em saldar débitos anteriores, alcançando um total de R$ 230 bilhões. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu essa medida como uma forma de honrar obrigações pendentes do governo anterior.

Juros Nominais:

  • Os juros nominais do setor público em 2023 totalizaram R$ 718,3 bilhões, correspondendo a 6,61% do PIB.
  • No ano anterior, em 2022, esse montante foi de R$ 586,4 bilhões, representando 5,82% do PIB.
  • Em dezembro de 2023, os juros nominais alcançaram R$ 63,9 bilhões, em comparação com os R$ 59,0 bilhões registrados em dezembro de 2022.

Déficit Nominal:

  • Em 2023, o déficit nominal do setor público atingiu R$ 967,4 bilhões, representando 8,90% do PIB.
  • No ano anterior, em 2022, esse déficit foi de R$ 460,4 bilhões, equivalendo a 4,57% do PIB.
  • No mês de dezembro de 2023, o déficit nominal alcançou R$ 193,4 bilhões, enquanto em dezembro de 2022 foi de R$ 70,8 bilhões.

Dívida Líquida (DL):

  • Em 2023, a DL atingiu a marca de R$ 6,6 trilhões, correspondendo a 60,8% do PIB.
  • Houve um aumento anual de 4,7 pontos percentuais em relação ao PIB.
  • Esse crescimento foi principalmente impulsionado pelos juros nominais, pelo déficit primário e pelo efeito da valorização cambial.

Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG):

  • No ano de 2023, a DBGG alcançou a cifra de R$ 8,1 trilhões, representando 74,3% do PIB.
  • A relação entre a DBGG e o PIB aumentou em 2,7 pontos percentuais, impulsionada principalmente pela inclusão de juros nominais, emissões líquidas de dívida e crescimento do PIB nominal.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.