Entenda como funciona o 1º chip cerebral feito pelo Neuralink, de Elon Musk

No X, o empresário afirmou que o paciente passa bem e que os resultados inicias são promissores

No domingo (28), um paciente humano recebeu o primeiro implante de chip cerebral da Neuralink, companhia do excêntrico bilionário Elon Musk. A empreitada foi revelada pelo próprio magnata sul-africano em seu perfil oficial no X (antigo Twitter) na segunda-feira (29).

Em maio do ano passado, os estudos envolvendo implantes cerebrais em humanos foram autorizados pela Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês). Quatro meses após o aval do órgão, a Neuralink abriu inscrições para voluntários.

Vale lembrar que, como informado pela agência de notícias Reuters, a Neuralink enfrentou inúmeros escrutínios no que diz respeito aos seus protocolos de segurança, recebendo, inclusive, diversas negativas da FDA ao longo dos últimos anos. Ainda, a companhia de Musk chegou a ser multada por violar as regras do Departamento de Transportes dos EUA (DOT) que competem à movimentação de materiais perigosos.

Em 2022, uma investigação de nível federal foi realizada. Após as averiguações, a Neuralink foi acusada de maus-tratos aos animais. Ainda, funcionários chegaram a denunciar que os testes feitos em animais estavam sendo acelerados, causando sofrimento e mortes desnecessárias.

Na época, Musk se pronunciou sobre o caso, afirmando que “nenhum macaco morreu como resultado de um implante Neuralink”. O empresário acrescentou que a sua empresa escolheu macacos “terminais” para minimizar o risco para os saudáveis.

Tecnologia se mostra promissora

No X, rede social da qual também é dono, Musk escreveu que o primeiro produto da empresa foi batizado de “Telepathy” (Telepatia, em tradução livre). O chip permite que humanos controlem dispositivos eletrônicos, como computadores e celulares, apenas por meio do pensamento.

Os primeiros usuários serão aqueles que perderam o uso dos membros. Imagine se Stephen Hawking pudesse se comunicar mais rápido do que um digitador rápido ou um leiloeiro. Esse é o objetivo“, disse o empresário no X.

Ainda de acordo com Musk, o paciente que recebeu o primeiro implante está se recuperando bem. Além disso, o bilionário afirmou que os resultados iniciais mostraram uma detecção promissora de picos de neurônios.

O estudo feito pela companhia utiliza um robô para introduzir um chip de Interface Cérebro-Computador (ICC) por meio de um procedimento cirúrgico. O dispositivo é instalado em uma região do cérebro que controla a intenção de movimento.

Inclusive, no primeiro teste realizado pela Neuralink, a ideia é avaliar a segurança do implante e do próprio robô que fez a cirurgia. Até o fechamento desta matéria, a companhia não revelou outros detalhes sobre o paciente e o procedimento feito no domingo.

Quando as inscrições estavam abertas para interessados, o recrutamento era voltado para pessoas com paralisia decorrente de lesão na medula espinhal cervical ou esclerose lateral amiotrófica.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.