Investigador do ataque a canal de TV no Equador é assassinado

Mais um episódio de violência chamou atenção da comunidade internacional sobre o Equador nesta semana.

A escala da crise de segurança no Equador ganhou novos episódios recentemente. Um promotor que estava como responsável por investigar um ataque a um canal de televisão do país acabou sendo assassinado na última quarta-feira (17), na cidade de Guayaquil, de acordo com o que foi informado pelo Ministério Público.

A morte do promotor Carlos Suarez foi confirmada pela procuradora-geral Diana Salazar, através de um vídeo divulgado na rede social X (antigo Twitter). “Diante do assassinato de nosso colega César Suárez (…), serei enfática: os grupos de crime organizado, os criminosos, os terroristas não impedirão nosso compromisso com a sociedade equatoriana”, disse Salazar.

De acordo com a AFP, uma representante da entidade que investigava o crime disse que Suárez havia sido encarregado de investigar qual era o grupo criminoso que estava por trás da invasão de um programa ao vivo do canal TC, durante a recente crise de violência no país.

O ataque armado ao canal televisivo ocorreu após a fuga de Adolfo Macías, conhecido como “Fito”, e que é apontado como líder da principal gangue do país. O fato ocorreu no dia 8 de janeiro, porém, ainda não está claro qual facção que está por trás desse ataque. Na ocasião, homens encapuzados e armados ameaçaram jornalistas e outros funcionários, utilizando pistolas, rifles e granadas.

Morte do promotor Carlos Suárez no Equador

Veículos de comunicação do Equador chegaram a divulgar imagens da caminhonete de Suárez com vários tiros na janela do motorista em uma avenida. De acordo com a polícia local, “as unidades de investigação estão realizando as indagações pertinentes para encontrar os responsáveis”. As diligências ocorrem no principal porto do país, que é considerado um centro de operações do narcotráfico.

O Equador passou a protagonizar uma recente onda violência por conta da presença do narcotráfico no país, que está chamando atenção da comunidade internacional, por conta dos frequentes enfrentamentos entre facções criminosas e forças de segurança dentro do território equatoriano.

A procuradora Diana Salazar já relatou algumas ameaças por parte da Los Lobos, uma das principais gangues que estão no Equador atualmente. O país virou um forte ponto de disputa do narcotráfico local e também conta com a presença de criminosos de outros países. Recentemente, o presidente Daniel Noboa classificou as gangues como “terroristas” e convocou os militares para o enfrentamento ao crime organizado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.