Descobertas na Amazônia podem mudar toda a história da floresta

Uma importante descoberta na Amazônia e que foi divulgada na última semana. indica que diversos povos habitaram a região há cerca de 2500 anos atrás.

Cidades de aproximadamente 2.500 anos foram descobertas na região da Amazônia. Através de uma pesquisa, arqueólogos descobriram um conjunto de antigas cidades que abrigaram milhares de pessoas e que hoje estão escondidas debaixo da floresta.

A busca foi feita no território do Equador, onde está localizada boa parte da floresta amazônica, e foi notada pela primeira vez há cerca de duas décadas pelo arqueólogo Stéphen Rostain. “Na época, eu não tinha certeza de como tudo se encaixava”, disse o pesquisador francês, que é um dos responsáveis por relatar a descoberta na revista científica Science na última quinta-feira (11).

“Era um vale perdido de cidades”, afirmou Rostain, que atua como diretor de pesquisa no Centro Nacional de Pesquisa Científica da França. “É incrível”. O mapeamento utilizou tecnologia de sensor a laser e revelou que esses locais faziam parte de uma densa rede de cidades ligadas a estradas e canais que estão escondidos nas encostas dos Andes.

Esses assentamentos foram ocupados entre cerca de 500 a.C. e 300 a 600 d.C., e hoje estão localizados no Vale do Upano, na parte leste do Equador. A descoberta traz novas percepções sobre o que se sabia acerca de civilizações em territórios amazônicos.

Cidades antigas na Amazônia são descobertas por arqueólogos

Por conta das datas, a descoberta aponta que essas civilizações ocupavam este espaço antes de outras sociedades complexas que habitaram na América do Sul, como é o caso de Machu Pichu, no Peru, que surgiu apenas no século 15.

Os pesquisadores identificaram cinco assentamentos grandes e outros dez de menor proporção em uma área de 300 quilômetros quadrados. Cada um estava densamente preenchido por estruturas residenciais e cerimoniais. Ao todo, foram encontradas evidências de 6 mil montes de terra que teriam sido base dessas construções.

Essas cidades eram intercaladas por grandes campos agrícolas retangulares e cercadas por terraços em suas encostas. Além disso, os habitantes se valiam do plantio de alimentos como milho, mandioca e batata doce. Os indícios disso foram encontrados em escavações que haviam sido feitas anteriormente.

A área encontrada no Equador está localizada à sombra de um vulcão que possibilitou que o solo fosse rico para agricultura. No entanto, isso também pode ter levado a deteriorar aquela sociedade. Também foi visto que haviam estradas largas e retas que ligavam as cidades umas às outras, além de ruas que corriam entre as casas e os bairros de cada assentamento. Por sua vez, as maiores estradas tinham 10 metros de largura e se estendiam por 10 a 20 quilômetros.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.