Airfryer pode ser a grande vilã da sua conta de energia

O aumento da conta de energia é uma preocupação frequente e, apesar de no geral ser econômica, dependendo do uso a Airfryer pode se tornar uma vilã na luz

À medida que crescem as inquietações acerca do consumo de energia, sobretudo diante do encarecimento das contas de eletricidade, um número significativo de indivíduos procura compreender o impacto de diversos eletrodomésticos em suas despesas.

Nesse contexto, as airfryers emergem como uma escolha cada vez mais popular nas cozinhas contemporâneas, prometendo não apenas uma culinária mais saudável, mas também uma utilização eficiente de energia.

Airfryer

Primeiramente, é importante salientar que, quando comparadas a outros eletrodomésticos amplamente utilizados, as fritadeiras elétricas não figuram entre os dispositivos de maior consumo energético. A eficiência energética desses aparelhos é enfatizada pelas próprias fabricantes, que os projetam para proporcionar resultados satisfatórios em períodos mais curtos, resultando em um menor consumo de eletricidade.

Ao acelerar o processo de aquecimento do ar dentro da câmara de cozimento e assegurar a manutenção de uma temperatura constante, as fritadeiras elétricas, popularmente conhecidas como airfryers, conseguem reduzir consideravelmente o tempo de preparo em comparação com os tradicionais fornos.

Consumo de energia

A mensuração do consumo de energia elétrica é comumente expressa em quilowatt-hora (kWh), sendo que muitos eletrodomésticos apresentam essa informação em horas. Caso os dados estejam dispostos de maneira diferente, é possível realizar uma conversão simples, removendo um zero e inserindo uma vírgula para obter uma estimativa aproximada.

Entretanto, para uma avaliação precisa do impacto no orçamento, é essencial estar ciente da tarifa elétrica vigente localmente. Além disso, a frequência de uso também influenciará diretamente no gasto total de energia.

No cenário brasileiro, a maioria das airfryers apresenta capacidade que varia de 2,4 a 5 litros, com potência oscilando entre 1.200 e 2.000 watts, sendo a média em torno de 1.500 watts. Como ponto de referência, uma panela elétrica com grill opera com 1.200 watts, enquanto um forno elétrico embutido pode atingir uma potência de 4.500 watts.

Dicas de economia

Para otimizar o uso da fritadeira elétrica e minimizar custos, é aconselhável adotar algumas práticas simples. Em primeiro lugar, descongelar os alimentos previamente pode reduzir significativamente o tempo de preparo, tornando o processo mais eficiente.

Além disso, ao consultar receitas, é possível ajustar adequadamente a temperatura da fritadeira, observando que nem sempre é necessário mantê-la no máximo. Aproveitar modelos que oferecem ajuste de potência é outra estratégia útil, permitindo adequar a potência conforme a necessidade específica.

Por fim, após cada uso, desconectar a fritadeira da tomada é uma medida importante para evitar consumo residual de energia, seguindo uma prática geral de economia de energia em dispositivos elétricos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.