Economia em 2024 terá menos agro e mais investimentos

O crescimento da economia em 2023 se deve ao setor do agronegócio, mas projeções de economistas observam um cenário diferente para o ano de 2024

O panorama para 2024 sugere uma possível desaceleração da economia brasileira, associada a uma diminuição da inflação e a taxas de juros mais baixas. A evolução desse cenário será determinada, principalmente, pelos desdobramentos do processo global de desinflação e pelas decisões tomadas na esfera da política fiscal no Brasil.

Essa ação poderia ter efeitos no desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) em 2024, que se espera seja impulsionado predominantemente pelo crédito, resultando em efeitos benéficos nos investimentos. O crescimento registrado em 2023 foi motivado principalmente pelo aumento da renda das famílias e pelo desempenho do setor agropecuário, o qual, por sua vez, enfrentará uma contração no ano seguinte.

Opiniões sobre a economia em 2024

Especialistas ouvidos pelo jornal Folha de São Paulo destacam que uma possível resposta do governo federal a um crescimento menos expressivo nos primeiros seis meses, seja por meio do aumento de gastos ou da revisão das regras fiscais, poderia impactar o processo de redução das taxas de juros conduzido pelo Banco Central. Veja as projeções:

1. Rafaela Vitoria, economista-chefe do Banco Inter

  • Previsão de início de 2024 semelhante ao final de 2023, com atividade econômica fraca.
  • Antecipação de recuperação ao longo do ano devido à retomada do crédito.
  • Projeção de desaceleração do crescimento de 3% para 1,8% em 2024.
  • Projeção ligeiramente superior às do boletim Focus do Banco Central (2,92% e 1,51%).

2. Luis Otávio Leal, economista-chefe da G5 Partners

  • Previsão de recuperação dos investimentos em 2024, impulsionada pelo aumento do crédito.
  • Expectativa de desaceleração do PIB de 3% neste ano para 2,1% em 2024.
  • Destaque para a melhoria estrutural no desempenho econômico, apesar do crescimento numericamente menor.
  • Identificação de maiores riscos para 2024: cenário político complexo nos EUA devido às eleições presidenciais e questões fiscais no Brasil.

3. Silvia Matos, coordenadora do Boletim Macro do FGV Ibre

  • Previsão de recuperação nos investimentos em 2024, com possível demora em relação às expectativas do governo.
  • Ressalta a aceleração dos gastos públicos e a revisão das metas fiscais como cenários possíveis.
  • Observa que o Brasil cresceu acima do potencial nos últimos anos, com menos espaço ocioso na economia.
  • Projeção de crescimento de 2,9% neste ano e 1,4% em 2024.
  • Destaca a continuidade da tensão fiscal, especialmente em um ano de eleição municipal, como fatores de influência no cenário econômico.
  • Risco potencial identificado: governo buscando estimular a economia sem um ambiente de investimento favorável, podendo gerar inflação, especialmente em caso de queda esperada do PIB neste ou no próximo trimestre.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.