Contrato com Bolívia da Petrobras por gás é renovado; entenda

Apesar de ter sido firmado em agosto do ano passado, o contrato só entrou em vigência nos últimos dias

Recentemente, a Petrobras renovou o contrato de importação de gás natural da Bolívia. Segundo a companhia estatal, a medida foi tomada após o cumprimento de trâmites internos de governança e prevê mudanças no perfil de entregas do volume total de gás contratado pela petroleira brasileira. O contrato oficializado agora foi acertado em agosto do ano passado. Vale frisar que o Brasil é altamente dependente do gás boliviano.

O aditivo prevê a manutenção do volume máximo de 20 milhões de mpor dia, com maior flexibilização dos compromissos firmes de entrega e recebimento de acordo com a sazonalidade da oferta, garantindo assim o fornecimento em equilíbrio contratual para as empresas e a possibilidade de venda adicional de gás pela YPFB (Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos) para outros importadores brasileiros“, diz o comunicado divulgado pela Petrobras.

Após diversos encontros entre os representantes da estatal brasileira e contrapartes bolivianas, a decisão foi tomada. A produção de gás dos bolivianos se encontra em crise há pelo menos nove anos. No período, caiu de 59 milhões de m³ por dia para 73 milhões de m³ por dia. Em setembro de 2023, o presidente da Bolívia, Luiz Arce, chegou a dizer que a produção local estava no “fundo do poço”.

A produção, lamentavelmente, vem caindo, até chegar ao fundo. Estamos fazendo, como governo nacional, altos investimentos em exploração para reconstituir as reservas de gás. Perdemos muitas reservas nesse período, que não foram substituídas, e o país não tem capacidade para produzir mais“, disse o chefe do Executivo boliviano na ocasião.

No início deste mês de dezembro, o ministro boliviano dos Hidrocarbonetos, Franklin Molina Ortiz, esteve em Brasília para pedir mais investimentos da Petrobras para financiar a produção do país vizinho. Além da queda na exploração, a Bolívia pode enfrentar a provável perda dos recursos do governo argentino nos negócios. As autoridades da Argentina vêm formulando um plano para deixar de depender do gás boliviano já em 2024, a partir da exploração das reservas em Vaca Muerta.

Petrobras encabeça recorde histórico da B3

O Ibovespa, principal índice de ações da Bolsa de Valores (B3), bateu novo recorde histórico na segunda-feira (18), ao encerrar o dia com alta de 0,68%, aos 131.083 pontos. Puxado pela valorização das ações da Petrobras, que subiram na esteira de nova alta dos preços internacionais do petróleo, o índice superou os 130.842 pontos da última quinta-feira (14), o recorde anterior. Com o avanço de ontem, o Ibovespa acumula alta de 2,95% , e de 19,46% ao ano.

Pelo fato de uma agenda relativamente reduzida, a alta em torno de 2% nos preços do petróleo — influenciado pelo novo ataque dos rebeldes do Iêmen a navios no Mar Vermelho, importante via de escoamento de petróleo do Oriente Médio — puxou as ações da Petrobras, que fecharam o dia com ganhos de 2,05% (ON) e 1,24% (PN).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.