Derrubada do veto à desoneração da folha preserva 1 milhão de empregos

O Congresso Nacional derrubou o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à desoneração da folha de pagamentos.

Pelo menos 1 milhão de empregos foram preservados por conta da queda do veto ao projeto que prorroga até 2027 a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia, de acordo com projeções feitas pela União Geral dos Trabalhadores (UGT).

A organização estava prevendo um corte de 10% dos cerca de 9,7 milhões de empregados atualmente nos setores que são beneficiados pela desoneração. “Os trabalhadores não aceitarão pagar a conta do ajuste fiscal com medidas que coloquem empregos em risco e incentivar a informalidade”, diz a nota publicada pela UGT.

A central sindical explicou que isso se trata de uma questão social que vai muito além da arrecadação. Por isso, a derrubada do veto é um alerta para a equipe econômica. Ainda na última quinta-feira (14), o Congresso Nacional derrubou o veto 38/23 do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que trata da desoneração da folha de pagamento até o ano de 2027 para 17 setores da economia.

No Senado Federal, foram 60 votos pela derrubada do veto e 13 votos pela manutenção do veto. Já o placar entre os deputados foi de 378 “não” contra 78 “sim”.

Derrubada do veto à desoneração da folha

“O Congresso Nacional demonstrou sensibilidade e compromisso com a geração de empregos ao derrubar o veto à desoneração da folha de pagamentos. A decisão representa um passo crucial para fortalecer o setor produtivo brasileiro e estimular a abertura de postos de trabalho”, afirma o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC ), Renato Correia.

A consequência para o setor de construção seria o aumento do custo de uma obra, sem a derrubada do veto. Isso poderia impactar o valor de venda final do imóvel. No caso do call center, que é um dos 17 setores beneficiados pela medida, também era aguardada a derrubada do veto. “O setor de telesserviços emprega formalmente cerca de 1,4 milhão de trabalhadores no país”, diz a Associação Brasileira de Telesserviços (ABT) por meio de uma nota.

“É uma política já existente no Brasil, alcança 17 setores da economia que têm alta empregabilidade. Tudo que não podemos, no Brasil, nesse momento, no viés de combate ao desemprego e redução do desemprego no Brasil, é ter movimentos bruscos que abalem essa empregabilidade, essa geração de emprego. Algo que já existe e que estamos propondo prorrogar, na minha opinião pessoal, considero apropriado a prorrogação da desoneração da folha”, disse o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.