Desmatamento no cerrado aumenta 283% em novembro

O desmatamento do cerrado avançou no Brasil no mês de novembro, de acordo com dados do sistema DETER, do INPE.

O sistema DETER, do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), identificou que o desmatamento registrado na Amazônia no mês de novembro apresentou uma queda de  64% frente aos 554,66 km² registrados no mesmo mês de 2022. Esse foi o menor número da série histórica do DETER, iniciada em 2015.

No entanto, nem todos os dados são animadores. Isso porque as informações sobre o bioma Cerrado continuam causando preocupações aos órgãos de proteção ambiental. Na comparação entre novembro de 2022 e o mesmo mês deste ano, o desmatamento subiu 238%, passando de 168,8 km² para 571,6 km².

A maior parte da devastação aconteceu na região do MATOPIBA, que compreende as áreas dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, com 315,7 km². O maior desmatamento foi visto no Tocantins, que liderou o desmate, com 115,7 km² de vegetação perdidos, seguido de Maranhão, com 113,8 km², e Minas Gerais, com 89,2 km².

Já na Floresta Amazônica, a maior parte do desmate de novembro ocorreu no Pará, que registrou perda de 96,5 km² de vegetação. Em seguida, vêm Mato Grosso, com 29,7 km², e Maranhão, com 23,1 km². Ainda em novembro, o Governo Federal lançou o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento do Cerrado (PPCerrado), que é uma nova versão que recupera as bases do antigo plano anti-desmatamento encerrado em 2019.

Governo Federal quer conter avanço do desmatamento

“As ações do governo conseguiram reduzir de maneira fundamental o desmatamento na Amazônia, ainda que haja muitos desafios. Porém, neste momento, é fundamental priorizar as ações no Cerrado, já que sua destruição coloca em risco a segurança hídrica e a produção agrícola”, diz a especialista em conservação do WWF-Brasil, Ana Carolina Crisostomo.

A queda do desmatamento amazônico no Brasil foi o cartão de visita utilizado pelo Governo Federal na COP28, a conferência do clima realizada em Dubai. O governo Lula reiterou seu propósito em zerar o desmatamento do bioma até o ano de 2030. No acumulado de janeiro a novembro deste ano, o DETER aponta que a devastação caiu 50,5% sobre igual período de 2022, totalizando 4.977 km².

“O Cerrado, a gente tem uma situação preocupante, um aumento muito importante das taxas de desmatamento comparado ao ano passado, é uma conversão muito rápida, de áreas naturais de um bioma que já está muito fragmentado, que já perdeu mais da metade da sua cobertura vegetal”, explica a diretora de estratégia da Ong WWF no Brasil, Mariana Napolitano.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.