Nova logo do Itaú é apresentada após 50 anos com o mesmo design

Os responsáveis pela nova expressão de marca contaram com a ajuda de diversos especialistas

Para comemorar o seu centésimo aniversário, o Itaú Unibanco vai apostar em uma nova expressão da marca e um novo conceito institucional. Junto das agências Africa Creative e Galeria, o mais recente posicionamento “Feito de Futuro” convida os correntistas a refletir sobre o tempo, legado e longevidade.

Segundo Eduardo Tracanella, diretor de marketing do banco, o Itaú tem promovido uma intensa agenda de transformação na sua estrutura de negócio, visando entregar mais valor aos seus clientes. “Chegou o momento da nossa marca refletir tudo isso“, disse o executivo.

Itaú Unibanco: 100 anos de história e nova marca

A trajetória da instituição financeira começa lá em 1924, quando João Moreira Salles alcançou a patente de banco para a Casa Moreira Salles no estado de Minas Gerais. Já em 1943, em São Paulo, Alfredo Egydio de Souza Aranha funda o Banco Central de Crédito que, no futuro, se tornaria o Itaú. Em 2008, os dois bancos se uniram e deram origem ao atual Itaú Unibanco, o maior banco e a marca mais valiosa do Brasil e da América Latina.

O novo projeto de design foi inspirado na história brasileira: do tupi-guarani, Itaú significa “pedra preta”. Com isso, a nova identidade não só a marca institucional, como também a expressão de todos os segmentos e perfis do banco.

No novo visual, o laranja recebe ainda mais destaque, enquanto os tons de azul ganham vida para identificar os segmentos Uniclass e Personnalité, já o Itaú BBA e Private se apropriam ainda mais das tonalidades escuras. O símbolo, que representa a pedra, foi lapidado e se apresenta em uma forma mais orgânica e fluida.

Para criar a nova identidade, o Itaú trabalhou por 22 meses, passando por aproximadamente 100 estudos tipográficos, mais de 70 estudos de cores e outros de logotipos, que reavaliaram forma, cor, fontes, grafismos e expressões.

A equipe interna de branding da instituição financeira foi a principal responsável pelo trabalho, tendo como parceira companhias especialistas, como a norte-americana Pentagram, escolhida para consultoria estratégica, sob liderança do designer Michael Bierut e Fabio Hagg, com seu olhar único para a tipografia.

Clayton Caetano, superintendente de design do Itaú, revela que o desafio de criar uma nova identidade foi respeitar o legado sólido, mas sem perder a capacidade de ousar. “Nossa essência foi construída ao longo de décadas e com o brilhantismo de grandes nomes, como Aloízio Magalhães, nos anos de 1960; Francesc Petit, que introduziu a pedra ao logo do Itaú e o laranja na identidade, nos anos de 1970; e Alexandre Wollner, que destacou o laranja em nossas agências, nos anos de 1980, e sistematizou a marca como consistência e escala“, destaca Caetano. O superintendente ressalta que os três foram a fonte de inspiração para que o novo projeto se tornasse mais humanizado, orgânico e contemporâneo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.