Investimentos da Petrobras tem previsão de US$ 102 bilhões

O Plano Estratégico 2024-2028 da Petrobras contempla US$ 91 bilhões em projetos já consolidados e o restante nos quais ainda serão avaliados

O plano estratégico da Petrobras para os próximos cinco anos recebeu a aprovação do Conselho de Administração, indicando um substancial aporte de 102 bilhões de dólares em investimentos. Esse montante reflete um incremento notável de 31% em comparação ao ciclo anterior, evidenciando a visão de crescimento e a perspectiva de desenvolvimento da empresa no cenário energético.

Dentro desse influxo financeiro, 91 bilhões de dólares serão alocados para projetos já consolidados, enquanto 11 bilhões de dólares estão destinados a projetos ainda em fase de avaliação. Os pormenores do Plano Estratégico 2024-2028 serão apresentados pela diretoria-executiva da Petrobras, sob a liderança do presidente Jean Paul Prates, durante uma reunião no Rio de Janeiro.

Pressão do Governo

O plano estratégico foi aprovado pelo conselho de administração da Petrobras nesta quinta-feira, depois de Jean Paul Prates, CEO da empresa, enfrentar pressões tanto do ex-presidente Lula quanto de membros do governo para efetuar ajustes na reta final da elaboração do documento.

Conforme relatos de fontes consultadas pela Reuters, em reuniões, Lula pressionou o CEO para que priorizasse projetos voltados à geração de empregos e renda. Além disso, solicitou a inclusão de mais encomendas para a indústria naval e a antecipação dos prazos para a conclusão de grandes empreendimentos.

Distribuição dos bilhões

  • Limitação da Dívida Bruta: O plano estabelece um ponto crucial ao limitar a dívida bruta da Petrobras a 65 bilhões de dólares, um montante considerado “saudável” pela gestão da empresa.
  • Exploração e Produção: No contexto da exploração e produção, o plano alocará 73 bilhões de dólares em Capital Comprometido com Investimentos (Capex), sendo aproximadamente 67% destinados ao pré-sal. A Petrobras tem como objetivo explorar áreas promissoras, incluindo a Margem Equatorial e as Bacias do Sudeste, além de realizar a perfuração de cerca de 50 poços em blocos adquiridos.
  • Produção do Pré-sal: A produção do pré-sal desempenha um papel fundamental no plano estratégico, representando 79% do total. A empresa ambiciona atingir a marca de 3,2 milhões de barris de óleo e gás por dia.
  • Gás e Energia: Quanto aos setores de gás e energia, o plano destina 3 bilhões de dólares, com um investimento adicional de 7 bilhões de dólares para aumentar a oferta de gás nacional.
  • Refino, Transporte e Comercialização: No segmento de refino, transporte e comercialização, estão previstos 17 bilhões de dólares de investimento. O objetivo é aumentar a capacidade de processamento nas refinarias em 225 mil barris por dia e criar unidades de produção de diesel em cinco plataformas.

Dividendos da Petrobras

Quanto aos proventos, a Petrobras antecipa, com base em suas projeções macroeconômicas, que os pagamentos nos próximos anos estejam na faixa de US$ 40 bilhões a US$ 45 bilhões, contrastando com os US$ 65 bilhões a US$ 70 bilhões do plano anterior. Esta quantia pode abranger recompra de ações, com a possibilidade de dividendos extraordinários situados entre US$ 5 bilhões e US$ 10 bilhões.

De acordo com a avaliação do BTG, o recente plano delineia uma transformação estratégica para a Petrobras, evidenciando uma ênfase no crescimento, inclusive por meio de fusões e aquisições, indo além de seu núcleo de atuação principal. Essa reorientação ocorre após um período de desinvestimentos e ênfase nas atividades do segmento upstream, que engloba a exploração e produção de petróleo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.