Quais são os impactos da Reforma Tributária nos alimentos?

A reforma tributária que tramita no Congresso Nacional poderá causar um grande impacto na economia brasileira, em breve.

Em tramitação no Congresso Nacional há um bom tempo, a Reforma Tributária está perto de ser concluída, e isso deve impactar a vida de milhões de brasileiros. Isso porque a reforma está sendo tratada com um senso de urgência pelo Governo Federal, que deseja que o texto seja aprovado até o fim do ano, e por esse motivo, é possível que diversos cidadãos participem das discussões.

Isso porque uma iniciativa da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e Bebidas Não Alcoólicas (ABIR), Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi) e  Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab) pretende informar a sociedade sobre os possíveis impactos que a nova configuração dos impostos pode ter no orçamento das famílias.

Trata-se da campanha #CarrinhoLivre, que possui um site e possibilita os cidadãos possam contribuir para o debate. “O movimento surge do compromisso com o diálogo e a transparência entre governos e a sociedade. Nosso intuito é de dar voz, unir e fortalecer a sociedade brasileira, para que todos possam manifestar a sua vontade individual”, diz o presidente da ABIR, Victor Bicca.

Impactos da reforma tributária

A Reforma Tributária em tramitação no Congresso Nacional pretende simplificar o sistema tributário do Brasil, por meio da substituição de diversas taxas – como PIS (Programa de Integração Social), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), IPI (Imposto sobre produtos industrializados, ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e ISS (Imposto Sobre Serviço). Além do Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS) e pela Contribuição de Bens e Serviços (CBS).

“No entanto, é importante ter atenção aos detalhes do projeto, porque existem propostas que podem afetar várias áreas da vida da população, inclusive a liberdade de escolha e decisões de compra no supermercado”, pontua Bicca.

Sendo assim, a elevação dos impostos poderá se traduzir em um aumento no preço dos itens de alimentação e bebidas, o que causa uma restrição na escolha dos consumidores no momento da compra. Além disso, Bicca pontua que hoje em dia o setor conta com uma das cargas tributárias mais altas da América Latina.

“Se levarmos em conta toda a cadeia – do campo ao varejo –, estamos falando de um setor que movimenta 19,5 milhões de empregos no total. Ou seja, um aumento de preços nos itens poderia impactar as vendas e, consequentemente, afetar os empregos de milhões de funcionários da cadeia produtiva”, afirma Bicca.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.